• w-facebook
RELEASES

"A thing of beauty is a joy forever."

John Keats

 

Podemos usar muitos adjetivos para descrever a arte de Claudia Simões .

Assustador, realista , transcendente , intuitivo, mágico, aterrado , etéreo e os de terra, onde todos vêm à mente.

 Mas estas são abstrações  e eu gostaria de olhar para uma pintura na exposição de Claudia Simões na Galeria Coletiva em Florianópolis  e ver se é possível chegar a um lugar mais concreto. Nós poderíamos fazer isso com qualquer de suas obras, mas vamos olhar para uma pintura que eu chamo de " Two Folk e um barco . 

" É facilmente reconhecida a imagem de duas pessoas tranquilas nas águas, ao lado de um barco , quase cercado por árvores , com um céu vermelho brilhante no fundo .

 

( E não é uma qualidade holística interessante, sobre o uso da água -  das aquarelas - Pintar cenas de água)

 

Quando vi pela primeira vez o céu em dois Folk e um barco eu pensei imediatamente no combate de Temeraire pelo gigante William Turner , onde também tem um céu deslumbrante. O Temeraire,  era um navio de guerra que lutou bravamente na batalha de Trafalgar. Com um sol no fundo, Turner descreveu o grande e velho navio, a ser levado por um rebocador com turbina a vapor, de um depósito de sucata em Londres.

 

Um vôo do Brasil `a Londres valeria a pena, o custo e o esforço , mesmo que a única coisa fosse, ir diretamente de Heathrow para a Tate, passando quatro anos a olhar para o combate de Temeraire e depois, voltar diretamente para Heathrow e pegar um voo no fim da tarde para casa.

 

Enquanto isso, você pode ir a Galeria Coletiva e ver Two Folk e um barco e desfrutar de suas cores e imagens sensuais. 

Por favor, preste atenção a essas reflexões, deixando-nos  saber o que é a natureza na realidade. 

Por favor, veja as transparências mágicas que sugerem véus finos e que  aparentemente , mas só aparentemente , separam um espaço do outro, mesmo ainda parecendo separados, mas conectados. 

Olhe para as pernas das duas pessoas no rio, pernas visíveis através da água. Maravilhoso.

 

Mas há um outro segmento que merece ser pensado.

É o simbólico, o metafórico , tanto em combate de Temeraire e Two Folk e um barco . 

( Alguns podem pensar que é presunçoso comparar e contrastar qualquer um, até mesmo um Picasso, com o trabalho de um grande, como Turner. Mas esta não é a Copa do Mundo em que nós estamos olhando para "coroa" do campeão. Estamos à procura de um par de linhas comuns ou diferenciadas que nos ajudam a apreciar o trabalho de Claudia.)

 

A metáfora em O Temeraire de combate não é difícil de encontrar , é sobre o declínio de algo outrora poderoso . A metáfora é universal e constante, embora possa ser aplicada a diferentes contextos. 

Turner pintou O Temeraire de combate mais tarde em sua vida e muitos acreditam que ele estava contemplando sua moralidade, depois de um passado longo e glorioso. 

Muitos outros acreditam que é uma afirmação sobre o declínio da Inglaterra, que em 1838, o ano da pintura, estava sofrendo alguns dos piores efeitos da Revolução Industrial e Turner ansiava por um passado mais simples , pastoral. Antes da Inglaterra tornar-se uma potência mundial . Mas não importa o contexto, o símbolo subjacente é claro.

 

Eu não vejo uma metáfora universal e constante em Two Folk e um barco . Vejo vários símbolos  que podem mudar através do espaço e do tempo. Estes símbolos, se tornaram minhas metáforas. 

Como a aquarela não força uma reação  de interpretação , mas sim convida o observador a participar do processo de criação.

Através deste processo, a obra de arte é constantemente criada e recriada.

 

Falácia Intencional é um conceito na crítica literária que reivindica se uma obra de arte, deve ficar sozinha e não precisa ser interpretada, como uma declaração autobiográfica pelo artista. Se o trabalho for bem feito , o leitor , ouvinte ou observador pode vir a ter sua própria conclusão , partilhando e dando forma a desova artística. 

Roland Barthes falou da morte do artista  ou seja, a arte é um processo de colaboração entre o artista e

a platéia.

 

Entramos no processo criativo com Claudia em Dois Folk e um barco . 

Veja , eu nomeei a pintura que eu desejava  e Claudia pode não gostar disso, mas  sinceramente, eu não dou a mínima , como o seu trabalho em Two Folk e um barco é feito como um observador, o meu não é . É como se o artista não conseguisse concluir o trabalho e deixasse para o observador fazer, finalizando-o. 

 

Deixe-me tentar explicar apenas algumas das metáforas que eu encontrei em Two Folk e um barco . 

Enquanto em combate de Temeraire , o céu Inglês está radiante, colorido por causa do sol, eu não posso dizer se o céu em Two Folk e um barco é vermelho, com um sol nascente ou poente . Onde eu moro no Brasil , o sol nascente grita a sua chegada com um céu brilhante, vibrante , vermelho, enquanto depois ele foge um pouco apagado . Outros lugares que vivenciei , é o oposto. Se você me perguntasse se Two Folk e um barco representa um amanhecer ou um pôr do sol , a minha opinião mudaria dependendo do meu humor . Se você me perguntasse cinco minutos depois do nascimento de um neto, certamente seria um nascer do sol . Se você me perguntasse cinco minutos após a morte de um dos meus cães, um conto triste e recente, com certeza seria um pôr do sol .

 

E eu não posso finalmente, decidir se essa água em Dois Folk e um barco, é um lago ou um rio. Um lago é único, estático e constante. Um rio está conectado aos fluxos, parte de uma peça maior , uma vez que serpenteia até o oceano e como disse Heráclito, sempre muda . Minha idéia deste símbolo é mais como um rio, sujeito a alterações, dependendo da minha perspectiva momentânea.

 

Essas ambigüidades e ironias na obra de Claudia não só adicionam uma seriedade que pode ser envolta pela beleza das cores exuberantes e os traços suaves , mas permiti que cada observador,  personalize a sua arte.

 

O Temeraire de combate é sobre grandes idéias , sobre as nações e navios de guerra . Dois Folk e um barco é de reflexões e premonições , dos estados subconscientes e estados alterados , pertence a outros reinos, de pureza , de interconexões, de continuar junto.

 

O Two Folk e um barco, não é sobre qualquer uma dessas questões. Isso depende de você , do observador .

 

Só posso sugerir que você vá a galeria e olhe atentamente para uma obra de Claudia Simões e se deixe capturar. Em seguida, encontre a sua metáfora, assim se tornando uno em você. E sempre ter a alegria, de apenas olhar para as imagens, com todos os seus pensamentos desligados, mas em todos os sentidos, é uma agradável experiência. 

O trabalho de Claudia é certamente e profundamente sensual.

 

John Keats morreu na tenra idade de 25 anos . Ele acreditava que , antes de morrer que ele havia falhado em sua ambição de se tornar um grande poeta . Ele foi enterrado no cemitério protestante em Roma. Seu último pedido era para ser colocado sob uma lápide, tendo nenhum nome ou data, apenas as palavras : "Aqui jaz aquele cujo nome foi escrito na água ". Mal sabia Keats que não muitos anos mais tarde, viria a ser conhecido, como um dos eminentes da poesia .

 

Claudia  nas suas aquarelas , usa os pincéis bem úmidos em seus temas aquáticos, onde sua arte lapida, trazendo beleza e alegria sempre.

 

Brian Fielding

 

_________________________________________________________

 

 

Quando começou a onda da internet. Isabel da Jig - Art Bonobo, me falou que eu precisava conhecer uma aquarelista.

Ela me mostrou por imagens uma série linda, gostei muito e perguntei como se vê ao vivo. Vou te apresentar.Não demorou muito, recebi um convite para ir a uma mostra de Claudia Simões. Fui conferir em companhia de Antonio Peticov, ficamos encantados com a técnica dimensão e uma maturidade fora de série. A pouco na Glatt, vi uma nova série que novamente fiquei encantado, delicado, elaborado, tudo que precisa numa aquarela para a felicidade do olhar.                                                                                                                       

Ivald Granato

 

_________________________________________________________

 

 

Vórtice do existir.

 

A aquarela tem como característica intrínseca a transparência.É por meio dela que a técnica atinge seus melhores momentos. As áreas em que isso ocorre cativam o olhar do observador, independente do tema ou da cor. Reside na sobreposição uma magia intensa , assim como na exploração das áreas em branco do papel.Claudia Simões, seja em seus trabalhos em que a água é o tema central ou nas paisagens nas quais o diálogo entre o aquosos e o sólido se interpenetra ou limita pela linha do horizonte, atinge principalmente nas obras de maiores proporções, a magia que todo artista deseja: a de gerar um mistério na mente do fruídor.Tanto nos azuis como nos ocres, a aquarelista mantém a peculiaridade de abrir uma espécie de portal visual. Nas obras mais expressivas evidencia-se uma necessidade cada vez menor das imagens que referenciam o real para mergulhar nas possibilidades técnicas do lidar com as nuances.Existe em Claudia Simões a discussão plástica do espaço enquanto âmbito a ser visitado inúmeras vezes pela busca de desdobramentos na maneira de construir as ondas ou de erguer fronteiras tênues em que a linha do horizonte estabelece diálogos entre céu, água e terra.

 

Tudo pode - e deve - se mesclar no vórtice do existir.

 

Oscar D'Ambrosio

jornalista e mestres Artes Visuais pelo Instituto de Artes da Unesp, integra a Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA-Seção Brasil)

 

_____________________________________________________

 

 

A cada novo dia em que desperto, pela manhã, Cláudia Simões me propicia uma alegria e me leva a viajar a um universo de fantasia. A maravilha, aliás, também ocorre em outras circunstâncias em que eu acorde, talvez com sede, com fome, ou de um pesadelo eventual. Não, não, que ninguém confunda o nosso relacionamento. Eu mal vejo, pessoalmente, Cláudia Simões, grande amiga de Vivian Cury, minha mulher, a sua fotógrafa predileta. Mal vejo, e sequer tive o privilégio de conhecer os seus dois paraísos de praia e de campo, no alto do Bonete, Ubatuba, e em Visconde de Mauá.De todo modo, provém da sua sensibilidade extraordinária e do seu talento raro a primeira imagem que os meus olhos absorvem ao se abrirem – uma aquarela majestosa, paisagem de Veneza, pregada a uma parede do meu quarto de dormir. Cláudia, de fato, se tornou uma especialista admirável nessa arte complexíssima de registrar, com as suas transparências incríveis, invariavelmente fascinantes, magnetizantes, o movimento ou a placidez das águas, a poesia da luz do sol ou da lua, a instigância dos reflexos e dos sombreados.Aprendi com meu saudoso pai, Eduardo Lancellotti, um mago amador da aquarela, a apreciá-la através da alma, do espírito, da pele, do coração – jamais, somente, através da razão ou da educação, daquilo que se chama, convencionalmente, de Cultura. Eu ainda me lembro, meio século atrás, e eu me lembro arrepiado, de como o meu pai umedecia o papel e, então, pausadamente, pacientemente, quase apaixonadamente, deixava que as cores escorressem, aqui e ali se chocassem, em certos pontos se combinassem, num processo delicadíssimo de criação de novos matizes, de doces tonalidades.Ao examinar a Veneza de Cláudia, a cada jornada, me sobem à mente aqueles tempos de aprendizado que eu jamais completei.Melhor, mais me inebria a constatação de que, nestes idos de falaciosa modernidade, de arte supostamente provocativa e, muitas vezes, sem o menor sentido, sem a menor intenção de uma real transformação, ainda existe gente, como ela, empenhada no lirismo, na poesia, e não na busca do efeito apenas pelo rumor do efeito.Obrigado, Cláudia, pela sua Veneza aqui em meu quarto. E por você permitir que, neste texto, eu possa defender a aquarela.Exige muita coragem, muita competência, fazer aquarela.Vem de um outro mundo quem consegue fazer aquarela.

 

Sílvio LancellottiJornalista, Escritor e Food Stylist

 

_______________________________________________________

 

_________

"De extensa formação academica e artistica, exposições no Brasil, America Latina e Europa, a fisica nuclear Claudia Simões trocou o reator atômico pela arte. Em suas frequentes viagens, seja pela África, Extremo Oriente ou pelas trilhas da Mantiqueira, capta não só a paisagem como também a cultura, religiosidade e espírito dos locais por onde passa e os transforma em séries de aquarelas de técnicas apuradas e rara beleza. Extra a energia da natureza com pinceladas precisas, cores ora pasteis e delicadas, ora fortes e agressivas que estimulam e sensibilizam o Olhar. São releituras de cenas retidas em seu imaginário que adquirem movimento e nos transportam para diferentes e estranhos mundos."

 

Meiri Levin  (curadora)

 

_________________________________________________________

 

 

Numa época dominada pela multimidia, Claudia Simões resgata o dinamismo e a diversidade da aquarela. O mar tem sido sua fonte de inspiração, registrar o ritmo da água, infinitas extensões impossíveis de serem captadas na totalidade.

Claudia Simões tem um estilo próprio, marcante, é fácil identificar um trabalho como sendo seu. Cada pintura é um mundo em si mesmo, onde a cor, a figura, o mar, se unem num jogo intrigado na composição da sombra e da luz. Claudia consegue realizar tal proeza devido a sua maturidade artistica e aos estudos e pesquisas sobre arte, tentando compreende-la sobre os mais diversos angulos. A artista confronta constantemente a arte contemporânea com a arte do passado, apontando os laços secretos que se identificam e diferenciam.

A imaginação de um artista não pode ser compreendida como alucinação, deve ser tomada como forma de expressão. Claudia conduz o devaneio e descobre na arte seu espaço e valores. Assim o tempo e o espaço estão sob o domínio da imagem, uma possibilidade de olhar para além do que se vê.

 

Jean PierreCurador e critico  da Galeris de Arte e Design Colorida em Lisboa Portugal.

 

_____________________________________________________

 

 

AS CORES QUE ELA PINTA

Por Joyce Cavalccante

 

Não são propriamente cores as cores que a artista plástica Cláudia Simões pinta. Se traduzem mais como sons retirados da luz ou em forma de melodias, musicalidade, sonoridade que pode-se perfeitamente ouvir, ou como ruídos da natureza: o chiado das folhas da bananeira, o marulho das ondas, a sibilação do vento. Por esse ângulo suas obras nos dão a perfeita percepção dos sons, por isso, além de vê-las, podemos escutá-las.Seus azuis são teimosos, temperamentais quase irreconciliáveis. Saltam da tela para os olhos e dai invadem os demais sentidos. Era pra ser assim desde o começo dos tempos. O universo deveria ter a cor de um veranico, a cor ideal. Mas já que nem sempre tem, a artista pinta e reproduz em sua obra aquilo que vê a partir de seu dentro para o seu afora. Tudo claro e brilhante, criativamente texturizado, esfumaçado ou contornado assim como concebido desde o gênese. Me deixa morar nesse azul?As cores do salmão quando desmaiam tornam-se rosa. Mas podem se tornar também num céu irado. Onde já se viu um céu com tanto diferencial? Pode ser que seja um céu visto da praia de Alcântara, no nordeste do Brasil. Pode ser que seja um crepúsculo em Bali lá nos confins do mundo, ou na enseada do Bonete, aqui em São Paulo, onde a artista mantém um atelier. Pode ser uma plena alvorada da Tanzânia ou um meio-dia escaldante em um daqueles cafés do verão de Veneza. Ou quem sabe tanta púrpura venha do oriente, China, Laos e outras paragens? Pois é viajando pelo mundo inteiro que Cláudia persegue as cores as quais aprisiona em suas aquarelas, para depois libertar essas mesmas cores em cachos de bananas, coqueiros, mulheres, mascates, surfistas, janelas, barcos; paisagens brasileiras readmitidas como conteúdo funcional do universo artístico.Com formação acadêmica em ciências exatas, graduada em física nuclear, CS nunca abriu mão de enxergar poesia em tudo que seus sentidos até hoje captaram. Essa energia transformou-se em um profundo amor pela natureza, como ela mesma dá testemunho. Cumprindo como se fora um ciclo, esse amor transmutou-se em objetos de arte sincrônicos aos fenômenos naturais observados, movimentando o croma do cosmo.Creio que foi por aqui que ela encontrou as explosões do amarelo, do ocre e do mostarda, resultando o material em imaterial.Há muito de atitude pessoal envolvida na proposta artística e humanitária de CS, quando uma mancha branca – ou várias delas – se escrutinadas com cuidado se tornam garças amazônicas em vôo rasante, gritando para chamar o viajante. Mistérios e sondagens entre o céu e o mar quando se mesclam às espumas, dando para vislumbrar um golfinho exarcado. Onde foi? Pode ter sido em qualquer lugar pois o mundo é uma concha.Sempre controlável em sua magnitude, por meio da sua arte não ficamos devendo nada à globalização iniciada por Marco Polo, aquele que transportou a massa da pizza do Egito para a Itália, e o macarrão também, só que o trouxe da China. Claudia transporta as cores.Nas corredeiras dos rios, nas encostas, na maré alta e nos acampamentos debaixo das árvores, o olhar da artista contempla as grandes pescarias. Para alegrar os corações capazes de tanto, ela pinta sons usando técnica e luzes. É assim que gera a transformação do panorama artístico brasileiro, propondo obras justamente necessárias e acrescentadoras.*

 

Joyce Cavalccante

Autora de sete livros de ficção de prosa é também presidente da REBRA-Rede de Escritoras Brasileiras, e membro do conselho diretor na RELAT-Red de Escritoras Latinoamericanas.

 

___________________________________________________________

 

 

"Claudia, Seria o sentido da cor uma coisa do espírito? Cinzas pintadas

pelos pintores holandeses Criam na retina, verdes, azuis e violetas. Na umidade da paleta da aquarela corre o espectro, grita a luz. No papel intocado das incertezas do branco caminham raciocínios tingidos de vivência de terras visitadas nas fendas, nos campos da África. Onde os passos, os mesmos, se encontram nas paisagens."

 

Rubens Matuck Artista Plástico

 

_________________________________________________________

 

 

Claudia lahir di Rio de janeiro tahun 1949. Pendidikannya di bidang genetik biologo dan fisika nuklir, kemudian belajar fisik oceanografi, namun semuanya berakhir dan menghendap di dalam seni lukis. Ia seorang pelukis yang cinta alam, melukis di luar studio merupakan wujud dialognya dengam alam. Claudia telah banyak kali keliling dunia dan melukis di tempat-tempat yang dikunjunginya, seperti Cina, Thailand, Africa, Eropa, Amerika Serikat dan hampir semua negara di Amerika selatan.

 

Lukisannya bukan hanya tentang permadangan alam tetapi juga budaya, agama, dan spirit dari tempat-tempat yang dikunjunginya. Semuanya ditransformasikan ke dalam seni lukis cat air yang indah.

Claudia seorang master teknik cat air. Karena keahliannya itu, papier canson-Arches, Paris selaku sponsornya selalu menyediakan seluruh kertas yang dibutuhkannya untuk melukis.

 

Karya-karya Claudia merupakan hasil pencerapan spirit alam yang dikombinasikan dengan sapuan kuas yang garang dengan yang lembut. Lukisannya yang dipamerkan di santra Putra 2 Fine Art Gallery adalah karya-karyanja yang diciptakan pada musim panas tahun lalu. Lukisan Claudia sebadagai terjemahan hayalan dan imaginasiya ke dalam pemandagan yang mengesankan gerak dan fantasi, seolah kita di bawa kedalan dunia fantasi. Di sinilah letak kepiawaian Claudia dalam menciptakan suasana dalam lukisannya, seolah-olah-olah ia `menata-kembali` dunia ini, shingga terlukis dunia baru.

 

Wayan Karja

 

_____________________________________________________

 

 

Claudia Simões was born in Rio de Janeiro 1949.Her education in genetic biology nuclear, physics and oceanography, all of these ended up in art. She is an artist who loves nature, to paint outdoors is her form of dialogue with nature. Claudia has traveled the world to paint, such as in China, Thailand, Africa, Europe, United States and almost all of the countries in South America.

 

Claudia`s painting is not anly about the landscape but also the culture, religions and spirit of the places she has visited.Her experience is reflected in the beauty of her watercolor paintings. Claudia is a master of watercolor. because of her talents, the Papier Canson-Arches, paris is willing to be her sponsor and supplies all the paper.

 

Claudia`s painting absorbs and reflects the spirit of nature through both the textual and softness of her brush-stokes. All of the paintings in this exhibition at Santra Putra 2 Fine Art Gallery were created last summer. her work reflects fantasy and her imagination seems to bring us to another world.Claudia`s expertise is her ability to recreate the world so that we can see a new world through the vision of her paintings.

 

Wayan Karja

 

_____________________________________________________

 

 

A aquarela que Claudia Simões apresenta nesta exposição possuem uma preciosa potencialidade: provocam um processo de internalização que raramente testemunhei em obras de arte. Esses trabalhos têm a capacidade de nos fazer viver espaçøs e dimensões não apenas de maneira intelectual, mas tambem como sensações corporais muito nítidas. Têm a qualidade de atingir nossos centros corporais, transformando sua proposta em conquista efetiva. Sob sua aparente simplicidade, as aquarelas de Claudia estimulam uma sensibilização em profundidade, levando-nos a um a vivênca profunda de especialidades que muitas vezes nos passam despercebidas

 

Ivaldo Bertazzo coreógrafo

"A thing of beauty is a joy forever."

John Keats

 

We can use many adjectives to describe the art of Claudia Simões. Haunting, realistic, transcendent, intuitive, magical, grounded, ethereal, earthy all come to mind. But these are abstractions, and I would like to look at one painting in the exposition of Claudia in the Galleria Coletiva, Florianopolis, and see if it is possible to arrive at a more concrete place. We could do this with any of the pieces, but let´s look at a painting I call "Two Folk and A Boat." It is easily recognized: two persons wading in water beside a boat, nearly surrounded by tress, with a brilliant red sky in the background.

 

(And there is a interesting holistic quality about using water - watercolors - to paint scenes of water.)

 

When I first saw the sky in Two Folk and A Boat I thought immediately of The Fighting Téméraire by the giant William Turner, which also has a dazzling sky. The Téméraire was a war ship which fought valiantly at the Battle of Trafalgar. With a setting sun in the background, Turner depicted the grand old ship being towed by a paddle-wheel steam tug to a scrap yard in London.

 

A flight from Brazil to London would be worth the cost and effort even if the only thing one did was go directly from Heathrow to the Tate, spent four hours looking at The Fighting Téméraire and then went directly back to Heathrow for a late afternoon flight home.

 

Meanwhile, you could go the Galleria Coletiva and see Two Folk and A Boat and enjoy its colors and sensual images. Please pay attention to those reflections, leaving us to wonder what is the nature of reality. Please see the magical transparencies, which suggest thin veils that apparently, but only apparently, separate one thing or sphere from another, appearing separated yet connected. Look at the legs of the two persons in the river, legs visible through the water. Wonderful.

 

But there is another thread that deserves thought. It is the symbolic, the metaphoric, in both The Fighting Téméraire and Two Folk and A Boat. (Some may think it is presumptuous to compare and contrast anyone, even a Picasso, with the work of a great like Turner. But this is not the World Cup where we are looking to "crown" the champion. We are looking for a couple common or different threads that help us enjoy the work of Claudia.)

 

The metaphor in The Fighting Téméraire is not hard to find; it is about the decline of something once powerful. The metaphor is universal and constant, though it can apply to different contexts. Turner painted The Fighting Téméraire later in his life and many believe he was contemplating his mortality after a long and glorious past. Many others believe it is a statement about the decline of England, which in 1838, the year of the painting, was suffering some of the worst effects of the Industrial Revolution and Turner longed for a more simple, pastoral past before England became a world power. But no matter the context, the underlying symbol is clear.

 

I don´t see one universal and constant metaphor in Two Folk and A Boat. I see multiple symbols, which can change through space and time. These symbols became my metaphors, as the watercolor does not force one reaction or interpretation, but rather invites the observer to participate in the process of creation. Through this process the piece of art is constantly created and re-created.

 

Intentional Fallacy is a concept in literary criticism that claims a piece of art should stand alone and need not be interpreted as an autobiographical statement by the artist. If the work is done well, the reader, listener or observer can come to his or her own conclusion, sharing and shaping the artistic spawning. Roland Barthes spoke of the death of the artist, meaning art is a process of collaboration between the artist and an audience.

 

We enter into the creative process with Claudia in Two Folk and A Boat. See, I named the painting what I wished, and Claudia may not like that, but frankly I don´t give a damn, as her work on Two Folk and A Boat is done, and, as one observer, mine is not. It is as if the artist failed to complete the work and leaves it to the observer to do that. We then make the work concrete.

 

Let me try to explain just a couple of the metaphors I find in Two Folk and A Boat. While in The Fighting Téméraire, the English sky is radiantly colored because of the setting sun, I cannot say if  the sky in Two Folk and A Boat is red from a rising or setting sun. Where I live in Brazil, the rising sun screams its arrival with a glowing, vibrant, red sky, while it slips away with a little wimper. Other places I have lived, it is the opposite. If you were to ask me if Two Folk and A Boat depicts a sunrise or a sunset, my opinion would change depending on my mood. If you asked me five minutes after the birth of a grandchild, it would certainly be a sunrise. If you asked me five minutes after the death of one of my dogs, a sad and recent tale, it would certainly be a sunset.

 

And I cannot finally decide if that water in Two Folk and A Boat is a lake or a river. A lake is alone and static and constant. A river is connected and flows, part of a larger piece as it meanders to the ocean, and, as Heraclitus said, always changes. My idea of this symbol is more like a river, subject to change depending on my momentary perspective.

 

These ambiguities and ironies in the work of Claudia not only add a gravitas that can be shrouded by the beauty of the lush colors and the smooth strokes, but allow each observer to personalize the art.

 

The Fighting Téméraire is about grand ideas, about nations and warships. Two Folk and A Boat is of reflections and premonitions, of subconscious states and altered states, of other realms, of purity, of interconnections, of continuing along.

 

Or Two Folk and A Boat is not about any of these things. That depends on you, the observer.

 

I can only suggest you go the gallery and look carefully at a watercolor painted by Claudia and let it capture you and then find your metaphor, thus making it concrete for you. And always, the joy of just looking at the images with all thoughts turned off but all senses on is a lovely experience. The work of Claudia is certainly and profoundly sensual.

 

John Keats died at the young age of 25. He believed before dying that he had failed in his ambition to become a great poet. He is buried in the Protestant Cemetary in Rome. His last request was to be placed under a tombstone bearing no name or date, only the words, "Here lies One whose Name was writ in Water." Little did Keats know that not many years later he would be known as one of the eminents of poetry.

 

Claudia, in her watercolors, brushes with water and uses themes of water, but her art of lapidarian things of beauty bring joy forever.

 

Brian Fielding

 

_______________________________________________________________

 

 

A aquarela é uma expressão artística praticada pelo homem durante milênios e mantida viva ainda hoje.

 

Mais do que simples modalidade artística, ela também é uma linguagem pela qual a humanidade realizou conquistas importantes, dominando territórios, desenvolvendo-se tecnologicamente, imprimindo sua história e fluindo artística e espiritualmente. Congregando simplicidade e sofisticação, a aquarela se  transformou em recursos ágil e ao mesmo tempo adequado aos anseios mais profundos de nossa alma, possuidora que é dos atributos do elemento água como a maleabilidade, a expansão, a fluidez e penetração.

 

Presente no cotidiano de muitos artistas, a aquarela está na escrita dos calígrafos chineses, nas iluminuras dos astecas medievais, nos registros etnográficos dos cientistas expedicionários e na gênese dos projetos de arquitetos e designers contemporâneos. Incrustada na história da humanidade não só como síntese cultural, mas também como meio entendimento e aproximação de culturas distintas, ela é também um sistema dotado de especificações tanto a linguagem escrita e a música. Há muitos anos companheira do homem onde quer que fosse, não a toa, é uma das linguagens que acompanha pioneiros e desbravadores, relevando facetas da imaginação e auxiliando nos momentos em que novas perspectivas são visualizadas.

 

Gilberto Habib de Oliveira

 

______________________________________________________

 

 

Claudia Simões viaja pelo mundo para viver profundamente a natureza.

Com raro talento para a dificílima técnica da aquarela, tinge o branco do papel com paisagens que nos transportam para paraísos inimagináveis.

 

Guto Lacaz

 

______________________________________________________

 

 

O Mundo como Exercício.

"De extensa formação acadêmica e artística, exposições no Brasil, América Latina, Ásia e Europa, a física nuclearClaudia Simões trocouo reator atômico pela arte.
Em suas freqüentes viagens, seja pela África, Extremo Oriente ou pelas trilhas da Mantiqueira, capta não só a paisagem como também a cultura, religiosidade e espírito dos locais por onde passa e os transforma em séries de aquarelas de técnica apurada e rara beleza.
Extrai a energia da natureza com pinceladas precisas, cores ora pastéis e delicadas, ora fortes e agressivas que estimulam e sensibilizam o olhar. São releituras de cenas refletidas em seu imaginário que adquirem movimentos nos transportam para diferentes e estranhos mundos".

 

"The Pictorial" - Petersburgo Rusland - Ilha Vitoria - Canadá.

 

__________________________________________________

 

 

Claudia Simões é uma aquarelista de formação cientifica.

Cursou Fisica na PUC e pos graduação em Mecanica Quantica na USP.

Trabalhou no Reator Atomico e no Instituto Oceanografico da USP.

Começou sua carreira artística, pintando  e estudando varias técnicas com grandes mestres artistas.

Optou pela aquarela, sua grande paixão, como meio de expressão.

Retrata não só os lugares por onde anda, como o seu próprio pais, mas também outras culturas e geografias ao redor do mundo.

Apaixonada pelas aguas, mares, ríos, lagos, neblinas, nuvens, retrata com harmonia e encanto esse elemento.

Com técnica e sensibilidade trabalha suas aquarelas, que falam por si só e que reagem segundo a magica das emoções.

 

______________________________________________________

 

 

CLÁUDIA SIMÕES AND HER CELEBRATIONS

"The art critic customarily expounds the virtues of coloration, of movement, of elegance, of placement within contemporary movements…the same things that must be said about every painting. I find the dernier cri of little use with Cláudia Simões, because dominant paradigms yield to her strength. This woman is unattainable with principles "of the moment": it is this freedom of thought that grounds all known theories of creativity, from Ferguson to Arthur Koestler. And still I, who am simply a lover of the messages conveyed with images, thought that with this exhibition, I should begin with how the paintings of Cláudia Simões would relate to a country like Canada. It was here that I realized that climate, customs, language, all that separates us, ends up connecting us in her painting. Or isn't it so?

Consider: Cláudia's work is only tenuously identified with place, because it represents the geography of the infinite---this is what permits Indonesian and Canadian alike to find personal meaning in it; such should be our aspirations for times of peace. Although her portraits originate in Brazil, ultimately they show nothing of it, nor of Bali, nor Kenya. What her scenes reveal is the world seen from Brazil, with the joie de vivre that is its best quality. These are not the colors of Brazil, but a possible harmony of man from anywhere with nature, in those places where this is still possible in our ravaged world. Her modernity is precisely this. Cláudia, the woman, is like the frame of her paintings: the aspect (or the long shot in cinema, if you prefer) that permits the viewer to apprehend the entirety of a moment that dares to be eternal.

Cláudia lives in a house with many young people, a profusion of plants, harmonious music, and more: wine, candlelight, memorabilia, doors always open to the world, a world in one house, and dreams, lots of dreams. In time, when only the paintings remain, the remembrance of the artist will be just that which a distant scholar will achieve. And this is why the privilege of toasting the artist is a gift reserved for those who live in the same moment. In principle the future must converse alone with paintings such as these, but in speaking of "conversation" we will cease to be alone---we will be with the painting. Some artists open pathways; Cláudia opens hearts, and for this they speak to eternity."

Eduardo Yázigi
Professor of Creativity Theory at the University of São Paulo

 

 

CLÁUDIA SIMÕES E SUAS CELEBRAÇÕES

"Críticos de pintura costumam trabalhar as virtudes do cromatismo, dos movimentos, da elegância, das inserções nas correntes da arte... as mesmas coisas que é preciso dizer sobre todos. Considero o dernier cri pouco útil em Cláudia Simões, porque as influências dos padrões vigentes são resistem sua força. Esta mulher é inatingível por princípios "do que é preciso ser momento": é esta liberdade de pensamento que sustenta todas teorias da criatividade conhecidas, de Ferguson a Arthur Koestler. Eu, entretanto, apenas um amante de recados passados por imagens, pensei que com esta apresentação, devia antes ir, até onde a pintura de Cláudia Simões se relaciona com um país como o Canadá. Foi aí que me dei conta que clima, costumes, língua, tudo que isto que nos separa, acaba se unindo com sua pintura. Ou não é assim ?

Convenhamos: a pintura de Cláudia só é tenuemente identificada com um lugar, porque representa a geografia do infinito - isso que permite a um indonésio ou canadense captarem significados próximos, como deveriam ser as aspirações por tempos de paz. Mesmo que seus retratos surjam do Brasil, acabam nada tendo dele, de Bali ou do Quênia. O que suas cenas revelam é o mundo visto do Brasil, naquilo que ele tem de melhor: a alegria de viver. Não são as cores do Brasil, mas uma possível cumplicidade do homem de qualquer parte com a natureza, nesses lugares ainda possíveis em nosso mundo calcinado. Sua modernidade é precisamente esta. Cláudia-mulher é como o enquadramento de suas pinturas: o olhar ( como o plano geral em cinema, se preferirem) que permite apreender o todo de um momento que teima em ser eterno.

Cláudia mora numa casa de muitos jovens, profusão de plantas, acordes musicais, e mais: vinho, luz de vela, objetos de recordação, portas sempre abertas para o mundo, o mundo numa casa e, ainda, sonhos, muitos sonhos. Depois dos tempos, quando restarem apenas os quadros, a lembrança sobre o artista será apenas aquilo que um distante pesquisador terá alcançado (...). Eis porque, o privilégio de brindar com o artista é um dom reservado aos que vivem o mesmo presente. Em princípio o futuro terá de dialogar sozinho com quadros como esses, mas se falamos em "diálogo" teremos deixado de estar sós = seremos nós e a pintura...Alguns artistas abrem caminhos, Claúdia abre os corações e por isso falam para a eternidade. "

Eduardo Yázigi
Professor de Teoria da Criatividade da Universidade de São Paulo

 

______________________________________________________

 

 

"As amplas paisagens em aquarela de Claudia Simões, são a Re-Apresentação - Integral da Natureza.Infinitos espaços de céu, atmosfera, mar e terra, onde o horizonte oscila, levando o apreciador a penetrar nesta íntima viagem de Claudia: uníssono de ser com a natureza."

 

Iole Di Natale

Artísta PlásticaFundadora do Núcleo de Aquarelistas - FASM 

 

______________________________________________________

 

 

A aquarela que Claudia Simões apresenta nesta exposição possuem uma preciosa potencialidade: provocam um pprocesso de internalização que raramente testemunhei em obras de arte.Esses trabalhos têm a capacidade de nos fazer viver espaçøs e dimensões não apenas de maneira intelectual, mas tambem como sensações corporais muito nítidas. Têm a qualidade de atingir nossos centros corporais, transformando sua proposta em conquista efetiva. Sob sua aparente simplicidade, as aquarelas de Claudia estimulam uma sensibilização em profundidade, levando-nos a um a vivênca profunda de especialidades que muitas vezes nos passam despercebidasIvaldo Bertazzo coreógrafo 

O trabalho de Claudia, dentro de leveza da aquarela, consegue dar um sentimento, às vezes intensivo e forte, às vezes sutil e delicado, criando contrastes emocionantes, difíceis de se conseguir nesse tipo de pintura. Até parece música.

 

Ivan Lins músico 

 

______________________________________________________

 

 

"Avoiding stereotypes, Claudia Simoes take us to far away in her trips, sending us to the landscapes of the imaginary, giving rise to states of the soul. Together with Claudia, we go through rivers-oceans, we fly with the freedom of the birds, we appease ourselves in acts of fishing-thinking, travel through timeless journeys and we can recognize ourselves in the tropical nuances of water-sky-river-forest. Each time, Claudia's watercolors reveal to us something very unique about her, the explosion of her technical authority, the joyful appreciation of the revealed images. "

 

Tina Carvalho. Friend of may journeys

 

Paisagens Raras da Amazonia."Fugindo aos esteriótipos, Claudia Simões nos leva para bem longe em suas viagens, remetendo-nos às paragens do imaginário, suscitando-nos estados d'alma. Junto com ela percorremos rios-mares, voamos com a liberdade dos pássaros, aquietamo-nos no ato de pescar-pensando, transitamos pelo atemporal e podemos nos reconhecer em tons tropicais d'água-céu-rio-floresta. A cada vez , suas aquarelas nos revelam algo muito particular seu, seja na explosão e domínio técnico, seja na apreciação prazeirosa das imagens reveladas.

 

"Tina Carvalho, amiga de muitas viagens.

 

__________________________________________________

 

 

"Claudia Simões, aquarelista iniciada em múltiplas artes, agora pintando o Pasquim 21.Claudia Simões, tem formação multidiciplinar, é graduada em física pela Pontifícia Universidade Católica – PUC em 1974; na Universidade de São Paulo -USP, cursou pós-graduação em física quântica, realizou pesquisas no Instituto Oceanográfico e trabalhou no Reator Atomico, 1972 a 1975.Iniciou suas atividades como pintora em 1990, e frequentou os atelliers de Rubens Matuck, Ubirajara Ribeiro, Carlos Fajardo e Evandro Carlos Jardim.Sua obra tem obtido grande repercussão junto à imprensa e meios de comunicação e recebido comentários de críticos, curadores e colecionadores brasileiros e internacionais. Desde 1998, conta com o apoio dos papéis Arches de Paris.Em suas frequentes viagens, seja pelos cinco continentes ou pelas trilhas da Mantiqueira, capta não só a paisagem, como também a cultura, a religiosidade e o espírito dos locais por onde passa e os transforma em séries de aquarelas de técnica apurada e rara beleza. Infinitos espaços de céu, atmosfera, mar, terra, onde o horizonte oscila, levando o apreciador a penetrar nessa viagem íntima, uníssono de ser com a natureza.Seus trabalhos vem sendo apresentados durante esses anos, em mostras individuais e coletivas, no Brasil e pelo mundo.Principais exposições coletivas: Bienal Íbero-Americana de Aquarela, em Viña del Mar, Chile, 1996; Bras Art, Prefeitura de Paris, França, 1998; 1ª Bienal de Aquarelas do Museu de Arte Latino - Americano de Miami, EUA, 2000; Acqua Brasil, edições de 2000 e 2001, em Veneza, Roma, Milão e Pavia, na Itália.Principais mostras individuais: Galeria Ives Fay, Paris, França; Museu de Arte Moderna de Resende, Rio de Janeiro; Galeria Hebraica, São Paulo, em 1998; Biblioteca Municipal de São Paulo, 1999; Galeria Santa Putra, Bali, Indonésia; Galeria Quadra, Paris, em 2001.Claudia Simões foi convidada para participar, de um projeto de exposições, Imagens do Brasil, no Canadá e na Austrália, em setembro de 2002; e da exposição Arte e Esporte, com o título Drop Total , que será realizada entre 20 e 29 de outubro de 2002. Durante esse evento que atrai surfistas do mundo inteiro e é uma etapa do Campeonato Mundial de Surf W.C.T. que será realizado no Rio de Janeiro, em Saquarema. " 

 

Luiza Rothbart

 

 

_________________________________________________

 

 

 

 

Claudia seguiu , em arte, no vasto mundo da arte um caminho proprio de entendimento. Passa por luz, água e transparência, coisas aparentemente sem estreita ligacão. Porem , ali tudo se relaciona, tudo se mistura de acordo com o tempero de cada um. Certa vez ela me procurou com uma pergunta: quero pintar ceus e mares...A resposta é simples: Claudia, pinte  panos, drapeados, pinte com as tintas e as cores, sem distinguir panos de liquidos, sedas de ar, pinte seguindo o segredo assoprado por Leonardo, tudo que se move obedece as mesmas forcas.

 

Rubens Matuck

 

 

__________________________________________________

 

 

The movement here captivates. Though reminiscent of Van Gogh, its own style of Claudia. Unique. Ambitious. And ambiguous. Not quite clear if the surfer is waiting to be embraced, willingly, by the wave, or fending it away. Reminds me of what Virginia Woolf wrote as the last sentence of her book, The Waves (irony there, in that title?): "Against you I will fling myself, unvanquished and unyielding, O Death." Woolf leaves us to doubt , especially given how she died, whether this danger was to be embraced like a lover or fought like a foe. Claudia has this admirable ability to tell us a lot in her paintings, but not too much, allowing the observer to create the epilogue.

 

Brian Fielding 

 

 

__________________________________________________

 

 

Claudia,

Suas aquarelas são de tirar o folego! A sua vida é maravilhosa!

São tão verdadeiras, pura emoção e coragem, são o que transmitem.

Assim como é uma grande verdade, sua relação com o papel, as cores e os pinceis,Um mundo mágico.

Estou com saudade!

 

Marlui Miranda